Web By Me

A WBM foi criada e é mantida por desenvolvedores apaixonados

Nós faremos o melhor por você, belos layouts e design inovador.

Desenvolvimento de Sistemas Web, Aplicativos e Soluções.

Por que escolher a WBM

Porque temos a solução que você procura, somos formados por uma equipe altamente especializada e qualificada, trabalhamos em conjunto com nossos parceiros, fabricantes, distribuidores e principalmente, com nossos clientes.

Quais as tendências do Web Design?

By Thiago Estacio 7 meses agoNo Comments
Home  /  News  /  Quais as tendências do Web Design?

O Web Design é cada vez mais cartesiano e rege-se aos poucos por métricas cruéis e decisivas na avaliação de trabalhos. Competir, estética, equilíbrio, legibilidade, fluidez, eficiência e resultados é hoje a grande missão dos designers. As tendências têm fontes de inspiração no mundo “real”, na moda, na arquitectura, nos GAFA’s (Google, Amazon, Facebook e Apple), mas especialmente nas necessidades imediatas dos utilizadores», assegura Christophe Matos, director da Kwanko, empresa dedicada ao Marketing de Performance que desenvolve a partir da sucursal portuguesa campanhas Web e Mobile para todo o mundo.

O profissional destaca a importância do Design de Performance para justificar a aposta das agências de meios e anunciantes como factor-chave do sucesso da empresa. «Desenhar interacções para um Design de Performance é actualmente o lema onde o racional acaba por prevalecer sobre o emocional e onde nem sempre os Web Designers mais puristas conseguem sobreviver.»

Jean-Philippe Passos, responsável do Studio Internacional da Kwanko, destaca para a Marketeer algumas das principais tendências do Web Design para 2017.

Maior foco na animação

As melhores animações são as mais discretas e naturais. São estas que, normalmente, geram mais engagement com o utilizador. A evolução do Cascading Style Sheets (CSS) tornou possível gerar animações sem impactar a performance dos websites. Esta evolução permitiu o uso mais “destemido” de animações oferecendo ao utilizador dinâmica, conforto e, até, alguma diversão na experiência de utilização. Estas animações encontram-se, por exemplo, em eventos de “Mouse Over” ou “Click” de um botão, mas também podem estar subjacentes ao conteúdo, como a animação de um gráfico ou de um texto. O uso de animações “discretas” em Parallax é outra das possibilidades. Os mais entendidos saberão que não se trata de uma novidade no mundo do Web Design. O que se destaca como tendência é o uso mais subtil deste efeito, permitindo ao utilizador digerir o conteúdo com mais dinâmica e facilidade, transmitindo, simultaneamente, um apontamento de modernidade ao website.

GIF

As animações em GIF voltam a estar na vanguarda. São usadas, essencialmente, em Email Marketing, permitindo animações simples sem ser necessário recorrer ao CSS, contornando as limitações de renderização dos clientes de email (tais como: Gmail, Hotmail, etc). Num primeiro instante, os GIF, ajudam a captar a atenção do utilizador que é essencial para uma boa performance no Email Marketing.

WebGL (Web Graphics Library)

WebGL permite a renderização de elementos 2D e 3D construídos em HTML5 sem ser necessário instalação de software adicional. Trata-se de uma tecnologia que nasceu em 2011 e que se tem vindo a desenvolver, oferecendo, hoje, uma vasta compatibilidade com os diferentes sistemas que não se verificava no passado.

Interfaces interactivas / ChatBot

As interfaces interactivas, nomeadamente os chatbots (assistentes interactivos que simulam a conversa de um ser humano) começaram a aparecer numa óptica comercial, com mais frequência em 2016. Em 2017, tendem a afirmar-se como mais um potencial canal de Marketing Digital. São uma solução que oferece proximidade e exclusividade ao utilizador, ingredientes essenciais para uma boa taxa de conversão.

Responsive WebDesign (RWD)

Dos computadores, aos tablets e smartphones, a noção de ubiquidade em conjunto com a diversidade de dispositivos no mercado, alterou a forma como consultamos e partilhamos informação. O RWD deu os seus primeiros passos há cerca de seis anos. Oferece um conjunto de ferramentas que permite criar layouts fluídos que se adaptam aos diferentes tamanhos de ecrã para potenciar uma melhor experiência ao utilizador. Com a evolução dos dispositivos móveis e dos planos de dados oferecidos pelas operadoras, são cada vez mais os utilizadores que usam estes dispositivos para aceder à internet. Esta realidade levou ao aperfeiçoamento/desenvolvimento desta técnica que é presentemente imprescindível no momento de construir um novo website.

Tipografia mais ousada

Com o aparecimento do Google Fonts e Typekit (websites que disponibilizam fontes optimizadas para web), o uso de fontes mais arrojadas tornou-se mais comum, assim como a conjugação de tamanhos grandes e negritos. A tipografia tende a ter maior protagonismo, transformando-se num elemento gráfico destacado que “salta à vista” do utilizador.

Background Vídeo

O uso de vídeo como background, provavelmente, já todos vimos. No entanto, as limitações de velocidade traziam problemas de performance e faziam com que os websites demorassem a carregar. O que parecia ser uma excelente ideia passou a ser uma “dor de cabeça” para os webmasters. Actualmente, além da internet ser mais rápida e mais estável, as máquinas também têm processadores melhores, permitindo a viabilidade deste formato.

Conteúdo personalizado

Personalizar o conteúdo para aumentar a performance. Seja qual for a métrica em análise, a performance é uma questão que as empresas e os anunciantes têm cada vez mais presente no momento de criar ou avaliar os seus websites. A personalização do conteúdo baseia-se em três principais pilares:

– Demografia: Quem é o utilizador? Onde se encontra?

– Comportamento: O que quer no presente? O que fez no passado?

– Contexto: Qual o dispositivo utilizado? Qual o browser utilizado? Como chegou ao website?

Quanto mais personalizado o conteúdo estiver, mais optimizado está o website; melhores resultados serão obtidos.

A/B Testing

Quando falamos da performance de um website a tendência remete-nos para a avaliação da velocidade de abertura. Mas tão ou mais importante que esta é a performance de acções, ou seja, se o utilizador completa determinada acção, por exemplo, preencher um formulário ou efectuar uma compra. A taxa de conversão é a métrica que permite às empresas quantificar e avaliar as acções do utilizador. Optimizar a perfomance de acções apenas se consegue efectuando testes, testes e mais testes… com os utilizadores. Para os conseguir efectuar são utilizadas ferramentas de A/B Testing que são hoje aliados dos Web Designers e Web Developers.

Category:
  News
this post was shared 0 times
 000
About

 Thiago Estacio

  (4 articles)

Leave a Reply

Your email address will not be published.